PROFESSOR LIDER MAPUCHE FALARÁ SOBRE FILOSOFIA E COSMOVISÃO DE SEU POVO NO VII SEMINÁRIO INTERNACIONAL




A Rede CASLA-CEPIAL está promovendo seu sétimo seminário Internacional “POR UMA ECOLOGIA DE SABERES: produção social do conhecimento e desconstrução da colonialidade”, durante os dias de 16 a 18 de novembro de 2016, nas cidades de Ponta Grossa e Curirtiba.

Apoiando o evento estão a Casla Latino-Americana (CASLA), a Fundação Araucária do Paraná, a Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Culturais (PROEX-UEPG), os Programas de Ppos-graduação em Geografia (PPGG, UEPG) e de Meio Ambiente e Desenvolvimento (MADE, UFPR), Sindicato de Professores do Paraná (APP Sindicado- Paraná).

O evento será marcado pelo diálogo com lideranças de populações tradicionais (faxinalenses, quilombolas e pescadores) e de estudantes indígenas do Brasil. Ademais contará com palestras e mesas de renomados pesquisadores de outros países que tratarão de temas como agroecologia, cosmovisão de povos originários, populações tradicionais, territórios e conflitos sociais, direitos humanos e da natureza. Oficinas participativas entre diversos atores sociais (poder público, academia e organizações sociais) também serão organizadas afim de tratar de temas como problemas socioambientais e busca de alternativas para as comunidades.


Destacamos para este evento algumas ilustres personalidades, tais como o Ngenpin da Região  chilena da Araucanía, o professor Armando Marileo Lefío. Fundador da Mapuche Universidade a Aire Libre, o ngenpin proferirá a palestra: “Filosofía y cosmovisión mapuche, su relación con la naturaleza y los fundamentos de su espiritualidad”.


Segundo o professor Armando Marileo Lefío, o título de Ngnenpin ou Ñenpin (do mapudungun – a língua Mapuche – ngenpiñ, de ngen “dono” e pin “dizer”, “o dono das palavras, o orador, o que sabe dizer”, “portavoz”) é uma autoridade daquele povo. Dentro desta estrutura social, o Ngenpin é o responsable e assessor da filosofia, da espiritualidade, da ciência e sabedoria ancestral Mapuche, e quem projeta e protege tais conhecimentos.

Tratando de dar a compreender a cosmovisão Mapuche, o referido filósofo explana os símbolos daquela cultura:

En el momento de darle la base al territorio mapuche, surge o se da origen al kultrung, el símbolo más importante y sagrado de nuestro pueblo, el cual permite hoy comprender los elementos que explican y configuran nuestro mundo. En este instrumento sagrado mapuche nuestros ancianos dejaron impresos todos los aspectos de su entorno, visibles e invisibles; tangibles e intangible“. (Extrato de entrevista concedida a INCHE WARRIACHE, acessada em 26/10/16, https://inchewarriache.wordpress.com/cosmovision/

                                                               
 As figuras representam as cores da bandeira Mapuche e o Kulturn ao centro. O tambor com o kultrun desenhado em couro é instrumento da Machi  – curandeiro(a) – em seus rituais.

Para participar do VII Seminário Internacional da REDE CASLA-CEPIAL é necessário se inscrever pelo e-mail: eventos.redecepial@gmail.com. As vagas são limitadas e podem ser e no ato da inscrição é necessário informar os seguintes dados no corpo do e-mail:

Nome Completo:
Instituição:
Endereço residencial:
Fone:
Um ou mais Dia(s) do evento em que desejam se inscrever:
(  ) 16 UEPG, (   ) 17 CASLA, (   )18 CASLA



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *