Participação da CASLA na Primeira Reunião do BLOCO DA AGRICULTURA FAMILIAR da ALEP

A Casa Latino Americana(CASLA) e o Grupo INTERCONEXÕES – Grupo de Pesquisa e Extensão Universitária-UEPG, representada pela Doutoranda em Geografia do PPGEO-UEPG, Cleusi T. Bobato Stadler se fez presente no dia 12/06/2019, das 09h às 13h, na Assembléia Legislativa do Paraná (ALEP), onde foi realizada a Primeira Reunião do Bloco da Agricultura Familiar, convocada e coordenada pela Deputada Estadual Luciana Rafagnin (PT). 
O evento contou com a presença de representantes do Governo, de inúmeras entidades ligadas à área, além de parlamentares que expuseram e discutiram questões regionais que afetam a agricultura familiar no Paraná. 


Foto: Cleusi T. Bobato Stadler/ALEP/PR.

O principal objetivo desta Reunião segundo a Deputada Luciana Rafagnin é ouvir as organizações públicas e buscar soluções que minimizem as desigualdades fortalecendo o conjunto da agricultura familiar paranaense. 
O diretor da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (SEAB) Richardson de Souza, que representou o secretário Norberto Ortigara, falou sobre a fusão do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), da Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Codapar) e do Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA) que deve dar origem ao Instituto Paranaense de Desenvolvimento Rural, focado no fortalecimento da pesquisa e da assistência técnica. Ele destacou que novos programas estão sendo desenvolvidos, apoio à agroindústria familiar, fiscalização dos produtos, programas tradicionais, entre eles o de segurança alimentar, cozinha comunitária, recuperação de estradas rurais.
O consultor do Bloco, ex-secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, ex-secretário nacional da Agricultura familiar e coordenador de projetos da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO)/Região Sul, Dr. Valter Bianchini, apresentou um quadro da situação atual do setor, lembrando que o Paraná, tem 2,3% do território nacional e é responsável por 18% de toda produção de grãos do país, ocupando posições de destaque em relação à soja, feijão, trigo, frango, suínos, e leite e que essas atividades são sustentadas majoritariamente por agricultores familiares.
Entre algumas das Entidades Públicas e Governamentais que foram representadas na ALEP, estão o MDA ( Ministério do Desenvolvimento Agrário), Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), Secretaria da Agricultura, EMATER, Casa da Agricultura Familiar, UTFPR, Associação para o Desenvolvimento da Agroecologia (AOPA), FETAEP (Federação dos Trabalhadores Rurais e Agricultores Familiares do PR), ReSa (Rede Sementes da Agroecologia), Terra de DIREITOS, a CASLA (Casa Latino Americana), o INTERCONEXÕES (Grupo de Pesquisa e Extensão-UEPG), famílias atingidos por barragens, entre outros, a fim de discutirem e proporem ações na melhoria da Agricultura Familiar no Paraná.

A Doutoranda Cleusi T. Bobato Stadler em nome da CASLA e do INTERCONEXÕES, destacou os Projetos de Base Agroecológicos que estão sendo desenvolvidos nas Comunidades de Sete Saltos (Ponta Grossa/PR) e Quilombola Palmital dos Pretos (Campo Largo/PR), com o plantio de árvores nativas e sementes crioulas nas entrelinhas. Esse Projeto engloba o Banco de Sementes Crioulas das Comunidades, que ficará nessas comunidades e o Selo Faxinalense criado para melhorar a comercialização dos produtos agroecológicos das mesmas. Também destacou que a CASLA está promovendo uma Feira de Sementes na sua sede em Curitiba e gostaria de apoio e parcerias com entidades governamentais.  Mas uma de suas maiores reivindicações atuais, no tocante aos projetos comunitários rurais, é a melhoria das estradas e transportes para as vendas dos produtos dos Sistemas de Agroflorestas destas Comunidades Tradicionais, bem como, a Regularização e Certificação das Terras da Comunidade Quilombola Palmital dos Pretos. 

A Doutoranda explicou que já existem projetos de Pesquisa e Extensão entre as Comunidades Tradicionais e a Universidade, mas que é preciso ter mais projetos referentes à “Educação Agroecológica” nas escolas destas comunidades numa interação entre alunos, professores e pessoas das comunidades, para alcançar melhorias na formação de seus Bancos de Sementes Crioulas e no plantio e reprodução das mesmas. Ao final de sua fala na ALEP, Cleusi convidou para a Feira de Sementes e o PRÉ-CEPIAL 2019, a ser realizado nos dias 16 e 17 de agosto, na sede do Município de Rebouças/Pr. 

Foto: Cleusi T. Bobato Stadler/ ALEP/PR


Entre as principais demandas apontadas pelas organizações presentes na Reunião para serem priorizadas na agenda legislativa dos parlamentares ou pelos organismos do Executivo estadual, estão a valorização da agroecologia, do cultivo e multiplicação de sementes crioulas, da diversificação das lavouras, da educação do campo, políticas de fortalecimento das agroindústrias e cooperativas de produção, da inserção das mulheres e dos jovens, bem como a atenção aos perigos relacionados ao uso abusivo dos agrotóxicos nas lavouras do estado e a necessidade de se impor limites à pulverização aérea desses venenos agrícolas. As organizações destacaram também a necessidade de colocar em prática o programa da alimentação escolar 100% orgânica, da criação de um programa de aquisição de alimentos da agricultura familiar, a exemplo da política nacional implementada em governos passados, da política de segurança alimentar e nutricional, da garantia de uma política estadual sobre os direitos das famílias atingidas por barragens, da busca de solução para os conflitos fundiários, entre outras.

Foto: Cleusi T. B. Stadler. Membros participantes da Reunião na ALEP/PR.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *